Girls just want to have fun

Eu passei 33 anos da minha vida com um trauma de infância me perseguindo. Era uma música. As circunstâncias, aqui, são irrelevantes, já que foi um daqueles típicos casos de família. 

O fato que embalou tal momento, não foi o dos melhores, aos meus 6 anos de idade. Depois disso, essa música me perseguia em vários lugares: em bares, em festas, em supermercados, em aniversários e até na formatura dos outros. E todo mundo adorava aquela música, enquanto eu, disfarçadamente, saía do recinto. Só voltava quando ela terminava. Ser humano é uma coisa complexa, né, afinal, era apenas uma música.

Porém, eu tenho memória musical. Sempre relaciono momentos/pessoas com alguma música. Na maioria das vezes elas me fazem bem, senão não teria porque ficar lembrando delas, porém, essa exata música me dava pavor. Fui até ao psicólogo, não por conta dela, mas por todo o contexto da obra que se deu naquele 1984. Acho que era 84.  Achava engraçado que superei o assunto, mas a música não. Eu peguei uma ojeriza da pobre melodia. 

Então em uma noite fria de 2017, eu estava a acompanhar o grupo de teatro de um amigão meu, no qual eu estava fazendo um trabalho bem legal de fotografar e filmar a peça. No aquecimento, antes de começar, ele começou a dançar…ao som do que? Da música. Numa versão renovada, puxada para um jazz, quase uma valsa e, por incrível que pareça, uma PAZ foi tomando conta de mim. Eu queria ir lá pro meio do palco e rodar com ele. Girar, como se aquilo tivesse saído de mim por definitivo. 

Esse meu amigo só me orgulha. Aquecimento lindo. @iv_teacher ❤️

A post shared by Cozinha em Cena (@cozinhaemcena) on

Depois daquele dia eu passei a ouvir a música diversas vezes, ela não me dói mais. Ela não me amedronta. Ela só me faz lembrar de quanto é bom ter amigos e que tudo passa nessa vida. Até as coisas que tu menos achas que vão passar: passam.

Amigos são essas coisas incríveis, que mesmo sem saber, operam milagres. Obrigada Ivan, por isso, pelo convite para participar da produção, pelos papos, cafés, cigarros e risadas. Obrigada por ser meu amigo há quase 20 anos. E isso é muito mais importante que qualquer trauma de mais de 30. 

Que trauma?

“That’s all they really want
Some fun
When the working day is done
Oh girls, they wanna have fun”

Clique aqui para saber mais sobre a peça.

Comente aqui ;)

Comentários